sábado, 11 de setembro de 2010

A Batalha do Chile

Hoje é 11 de setembro e faz 9 anos do ataque às torres gêmeas em Nova Iorque. Dizem, muitos, que foi o maior atentado à humanidade já cometido, mas alguns esquecem que a mesma data é marcada por outro massacre, só que ocorrido na América do Sul, especificamente no Chile. Quem se lembra do nome Pinochet? Esse provocou inúmeras mortes, derrubando um governo eleito democraticamente, pela vontade do povo, que sucumbiu em uma triste ditadura. O fantasma deste tipo de governo assolou por anos nosso Brasil, e que esteja bem enterrada está prática opressora de governo.

Em 11 de setembro de 1973, há 37 anos, um golpe de Estado realizado pelas classes dominantes chilenas derrubou o governo da Unidade Popular, presidido por Salvador Allende. A ponta de lança do golpe foram as Forças Armadas sob a direção do general Pinochet, que teve o apoio do imperialismo, do governo dos EUA, e foi articulado e financiado pela CIA e pelas transnacionais norte-americanas. E contou também com o apoio dos governos ditatoriais latino-americanos, inclusive o Brasil, associados com o imperialismo norte-americano na "Operação Condor". O aparelho militar-policial do Estado chileno realizou um dos maiores banhos de sangue contra um povo nas últimas décadas na América Latina.

Durante o governo da Unidade Popular, eleito em 1970, intensifica-se a luta de classes no Chile, a luta antiimperialista e a mobilização popular pela reforma agrária e a nacionalização de empresas estrangeiras, como as minas de cobre. Houve uma significativa melhoria nas condições de vida dos trabalhadores, e os interesses econômicos da grande burguesia do país e das empresas imperialistas foram atingidos. Apoiados e incentivados pelo imperialismo norte-americano, as classes dominantes chilenas e as forças políticas reacionárias desencadeiam sabotagens, boicotes (como a conhecida greve dos caminhoneiros financiada pela CIA e transnacionais, como a ITT), gerando desabastecimento de gêneros de primeira necessidade, com intento de amedrontar e colocar a população, principalmente as camadas médias, contra o governo de Allende, com o objetivo de desestabilizá-lo, preparando as condições para o golpe.

No documentário, chamado A Batalha do Chile, o diretor Patricio Guzmán conta com grande realidade e crueza o golpe civil-militar de 11 de setembro de 1973 que derrubou o governo constitucional de Salvador Allende, no Chile. Sempre, claro, com a inestimável ajuda dos Estados Unidos.

Você pode baixar todos os vídeos aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu recado